segunda-feira, agosto 03, 2009

Grande constatação.

Ando com medo de parecer previsível. Pois quase a totalidade de meus textos tem alguma relação com a fazenda. Por outro lado é incrível como uma vida na roça é campo fértil para a literatura (literatura!?). Ainda mais quando vivida na companhia de meu pai. São tantos episódios dignos de nota que não tenho como ignorá-los. O problema é que minha criatividade vai se esvaindo. Cada vez mais me resigno em descrever apenas o fiel desenrolar dos fatos. Que afinal, me parecem ser suficientemente surpreendentes e até difíceis de acreditar. Como no episódio em que eu, meu pai e meu irmão íamos à fazenda levando material de construção para reformar a velha casa. A quantidade de material necessária para o serviço pedia umas duas viagens num grande caminhão trucado, mas meu pai aliado a sua calculadora hp constatou que com um pouco de aperto nosso pequeno e velho Mercedes 608 daria conta do recado. Em apenas uma viagem. Logo na saída do depósito ...
...a traseira do diminuto possante já havia tocado o chão um par de vezes. E os rangidos da frágil estrutura não me deixavam acreditar que ele permaneceria inteiro por muito mais tempo. Até porque o caminhãozinho já nem era tão inteiro. Mas desafiando qualquer lei da física, da lógica, da mecânica e/ou da coragem o bendito caminhão se arrastando bem mais do que rodando já chagava bem próximo a fazenda quando um último desafio se ergueu a nossa frente. Uma grande serra. Subida íngreme de quase meio quilômetro de extensão. Era óbvio que não conseguiríamos. Mas o caminho era esse e prosseguimos. Que o caminhão pararia antes da metade da ladeira era fato e nunca me iludi. E quando parou eu continuava sereno como nunca. Eu não contava era que os freios não agüentariam. Começamos a descer a serra de ré. Só que agora os únicos no comando eram a gravidade e a vontade do próprio caminhão. Quando tudo parecia perdido e eu já até me reconfortava com a idéia da morte meu pai conseguiu dar um golpe desesperado no volante fazendo com que o caminhão batesse no barranco e parasse. Claro que não antes de empinar como um mustang selvagem e andar quase uns dez metros com as rodas dianteiras no ar. Quando recuperei a força das pernas e finalmente tive equilíbrio para descer do caminhão meu pai fez sua grande observação: Não devíamos os três correr aquele risco juntos. Não é incrível que a seu ver o único problema em toda aquela situação era estarmos os três machos da família juntos, correndo o risco de deixar a ala feminina desamparada por nossas mortes? Não me recordo de qualquer observação a respeito do mega excesso de carga, do péssimo estado dos freios ou dos quase trinta anos de idade do caminhão. Se eu ainda for acrescentar algum detalhe lúdico a uma historia dessas ninguém mais acredita.

3 comentários:

  1. Amigo, já estamos nos finalmente de agosto e ainda não tem nenhum novo caso engraçado, para nós é claro...

    Um grande abraço...

    ResponderExcluir
  2. Valeu a pena esperar!!!

    ResponderExcluir
  3. Querido irmão, considerando que durante toda nossa infância e adolescência fiz suas tarefas de casa e li seus livros para depois relatar-lhe, e possibilitar que fizesse suas provas, seu talento literário é inusitado. Cada uma dessas histórias, por mim já conhecidas, criam vida própria em suas linhas. Leio e aquilo que à época me (ou nos) fora trágico se torna ilário.
    Grande percepção, sensibilidade ainda maior!
    Parabéns! E que sua inspiração nunca acabe...quantas risadas ela me proporciona!
    Beijo grande!
    Érica

    ResponderExcluir